Estresse infantil

Antes de falar sobre o estresse infantil é importante definir o que chamamos
de estresse. Esse termo caiu na popularidade, e hoje quando estamos
cansados, nervosos ou esgotados logo dizemos que é estresse.Mas é muito mais do que isso.

Sintomas como inapetência, irritação, queda no rendimento escolar, ansiedade,
agressividade, isolamento, entre outros indicam um quadro de estresse
infantil. Vários fatores podem contribuir para o seu aparecimento, como
por exemplo: brigas na família, dificuldade de adaptação na escola,
mudanças repentinas de rotina, excesso de cobranças e competitividade,
intolerância à frustração, excesso de atividades extracurriculares, etc.

Mas afinal, o que é estresse infantil?

O estresse é uma reação emocional diante de situações difíceis ou
extremamente excitantes, provocando desequilíbrio físico e emocional.
Pode ser desencadeado por fatores internos (personalidade, pensamentos,
atitude) ou fatores externos (família, escola, rotina).

É possível prevenir o estresse infantil?

Sim, com certeza. Mas antes de tudo vale a máxima “filho de peixe, peixinho
é”. Pais estressados tendem a ter filhos estressados, a atitude dos pais
diante dos problemas ensina aos filhos como enfrentá-los. Tenha
consciência de que você é o maior exemplo que o seu filho tem, e dá a
ele o exato padrão de comportamento que tenderá a repetir.

Não sobrecarregue a criança com atividades. Ajude-a a escolher as que mais
lhe agradam e fique atento para que o espaço do descanso, da brincadeira
e do estudo sejam preservados.

A individualidade deve ser respeitada. Cada criança tem seu próprio
rítmo, não compare seu filhos com os irmãos ou com o filho do vizinho.
Tenha paciência e priorize sempre a qualidade não a quantidade.

O diálogo é sempre o melhor caminho. Converse, escute a criança e
compreenda suas dúvidas, medos e conflitos. Não banalize seus
sentimentos ou seu sofrimento. Lembre-se de que este é o universo dela.

Evite a superproteção. Desenvolver a independência e autonomia é fundamental
para que a criança aprenda que pode enfrentar e resolver seus problemas.
Crianças demasiadamente poupadas não são preparadas para enfrentar o
mundo.

Lembre-se: crianças não são adultos em miniatura. Não transfira para os filhos
responsabilidades que não são deles. Questões conjugais devem ser
resolvidas sem o envolvimento das crianças.

E, por fim, não vincule o afeto ao desempenho da criança. Muita cautela ao
estabelecer trocas na base da punição ou recompensa, voce pode estar
mostrando ao seu filho que o valor está no que ele faz e não em quem ele
é.

Na dúvida procure um profissional especializado.

Educar é uma grande aventura e, como em toda aventura, devemos ficar atentos aos nossos passos e aos caminhos que escolhemos.

por Sabrina Martinelli

Anúncios